Sinta-se beijado(a)

A língua é o único músculo que diz a que veio. Eu falo o que penso, eu conto o que vejo, eu compartilho o que gosto, eu exponho meu modo eu me mostro. É um espaço meu, seu, é universal assim como o Beijo! Fique a vontade e divirta-se!

26 de dez de 2008

Vamos?


Movimento de informação, uma correria de cores, palavras, barulhos, fumaça.
Esbarram-se uns aos outros sem ao menos querer desviar.
Fala obrigado, mas não me escutas por que buzinam e gritam do lado.
Olho pra lá, olho pra cá, será que alguém vai me avistar.
Se eu cair no chão, alguém vai me levantar, ou simplesmente passar por cima ou desviar.
Pergunto pra um, olho no olho e o medo chega e logo trás a desconfiança.
Vamos parar o mundo por um segundo, vamos nos olhar, vamos respirar juntos e depois nos abraçar.
Importante todos somos, respiramos o mesmo ar, então por que insiste em me mau tratar.
Treine em ser uma boa pessoa com seu cachorro, gato ou papagaio, depois tente com as pessoas e verá que não é difícil.
Perca o medo, mude o foco, esqueça a informação, feche os olhos, pare o mundo um segundo, use o que você tem de mais importante ai dentro. O coração é uma bomba de energia, faça essa energia sair de você através de sua percepção.
Mentalize que você não é nada, e quer começar ser agora, esqueça tudo ao seu redor, abstraia a informação, o cheiro, os sentidos, pare e tente falar apenas com você, bem lá no fundo, onde nunca conseguiu chegar antes.
Percebemos que somos mais que sabemos ser, só que nunca paramos para nos enchergar.Por que estamos sempre atráz de algum assunto, sempre correndo para saber se conseguimos chegar.
Mas nunca chegamos, e sempre estaremos correndo.
Ao passo que corremos, nos distanciamos de nós mesmos e esquecemos nossa identidade.
Somos capazes de começar do zero, mas primeiro temos que ter vontade de saber onde se encontra essa capacidade em nós.
Vamos achar nossa capacidade e ter vontade de querer se tornar uma pessoa que possa mostrar a outra que ela também é capaz de parar o mundo.


Texto escrito pelo meu amigo de origem curitibana residindo na grande São Paulo.
Paulo Gracindo.

*O episódio: Já passava das 3:00 e decidimos que algumas cervejas a mais ou a menos não faria diferença, no dvd um show clássico do Tom Jobim, Vinícius, Toquinho e Miucha. É muita qualidade a essa hora da madrugada, filosofia já estava pra lá de barata. No cinzeiro umas bitucas de Carlton e eu apagava mais uma. As águas de março chegavam a nos molhar e a tristeza será essa ter fim? Felicidade sim!

*Um encontro de almas, amigas, cumplices, companheiras e eternamente unidas pela força da amizade. Amizade que não se cobra, não se pede, amizade que simplesmente dura, até onde tiver de ser. Obrigada por tudo amigo Paulinho. Beijos acreanos, sabor de cupuaçu!

5 comentários:

Má. disse...

Texto intenso. Realmente esquecemos de nós mesmos e deixamos de saber nossa capacidade ao correr atrás das coisas que nem temos ctz que são importantes.

Beeijos
;@@

Sergio Brandão disse...

Homônimo de quem é, nem me surpreende que possa ter escrito tão bem! E que bom que a estada em Sampa tenha sido tão recarregadora... Bjs.

Andréa Zílio disse...

Adorei! Uma perfeita tradução de uma das coisas que nos remete São Paulo. Muito bom!

MASA disse...

no Acre, o CUPUAÇU ABUNDA...

te amo

saudades...

olha essa do Maninho:
QUEBRA TUDO POR AÊÊÊ...

Quero construir um abrigo
mas não por isso brigo
amar é tão infinito
Sinto cheiro de sorriso
Fingido loucura de tímido
De tal maneira que não grito
Sou seu homem, decerto
Monumento inconcluído
Sem ela viro um deserto
Morro do que não sinto
A poesia me chama mais perto
Com ela pareço bonito
Deixemos tanto asfalto concretro
Diz chega ao que está nos partindo
Corpos celestes no espectro
As nuvens vão sempre despindo
Agora que tudo é incerto
É certo que estamos sorrindo
(aluisio martins)

Jackie Pinheiro disse...

Claudinha...
Paulinho...

Só hoje vi esse post. Estou precisando visitar mais o blog. Culpa da Claudinha, que ficou um tempão ser dar notícias! Não suma, amiga querida. Vc nos acostuma bem quando dá notícias. Amei o texto do Paulinho - traduz bem o espírito da terra da garoa - e adorei conhecê-lo. Fiquei com saudades do nosso encontro lá em Sampa, no Bar Brahma. Que dia! Que pessoa! O Paulinho é um ser especial, belo em todos os sentidos.
Beijo para os dois.