Sinta-se beijado(a)

A língua é o único músculo que diz a que veio. Eu falo o que penso, eu conto o que vejo, eu compartilho o que gosto, eu exponho meu modo eu me mostro. É um espaço meu, seu, é universal assim como o Beijo! Fique a vontade e divirta-se!

20 de jul de 2009

O quereres!


O que a gente quer nessa vida?

A gente tá sempre querendo alguma coisa, todo dia é assim, e quando conseguimos aquilo que tanto queríamos, já pensamos em outro desejo. E assim segue a vida, um desejo após o outro, porque desejar é viver então? É sim, claro! Sonhar, desejar, imaginar, buscar, tudo isso faz com que a gente levante todo dia e siga e viva e corra atrás dos tais desejos.
Pra quê viver se não temos sonhos e vontades? Por favor se você não tem nenhuma vontadezinha sequer pense bem, tá na hora de buscar algo, nem que seja: um desejo comestível!
Passei uns dias sem desejo, sem vontade, sem sem. Graças aos desejos e boas energias tenho tudo que preciso nesse momento, mas sempre falta algo, nunca estamos completos. E recentemente fui me deixando afundar nessa falta de querer mas é assim, de vez em quando a gente se perde da estrada que escolhemos e passamos por provas, experiências e vamos nos moldando. Não adianta tentar entender a fundo, pois a vida é uma coisa de LÔKO MEU.
Sei é que cansei do cansaço, quero que ele vá embora, me deixa, eu quero que a alegria tome conta dos meus DESEJOS. XÔ COISA RUIM. Quero me libertar e receber o novo!

Hoje com todas as letras a palavra AMOR se materializou na minha frente e de repente eu encontrei o caminho pra buscar pelo AMOR, sim apenas o caminho, porque o amor está em todo lugar, esse amor natural da vida, das pessoas, esse eu tenho bem explicadinho na minha cabeça oca.
Mas o AMOR que eu ando procurando, é desses que faz a gente sonhar acordado, que faz o corpo gelar, que faz a mente viajar, que faz o coração pular, é esse AMOR que eu quero. E ele anda bem perto, bem na minha cara eu só preciso aprender a amar quem me quer tão bem.

Hoje eu quero amar! E vocês?

Para contemplar o meu querer, coloco dois trechos da música: O quereres!

...
Eu queria querer-te amar o amor
Construir-nos dulcíssima prisão
Encontrar a mais justa adequação
Tudo métrica e rima e nunca dor
Mas a vida é real e de viés
E vê só que cilada o amor me armou
Eu te quero (e não queres) como sou
Não te quero (e não queres) como és

...

O quereres e o estares sempre a fim
Do que em mim é de mim tão desigual
Faz-me querer-te bem, querer-te mal
Bem a ti, mal ao quereres assim
Infinitivamente pessoal
E eu querendo querer-te sem ter fim
E, querendo-te, aprender o total
Do querer que há e do que não há em mim


*Pensamentos de última hora, só pra completar o post*

*Espiritualizada, em harmonia comigo mesma*

*Há 40 anos o "homem" quis ir a lua, e segundo dizem foi né! Palmas pra esse babado*

*Dia 20 de Julho é o dia do amigo*

*Sentimento de amigo, afeto que liga as pessoas, reciprocidade de afeto, benevolência, amor*

*Aos amigos, AMO MUITO TUDO ISSO*

*EXCELENTE SEMANA A TODOS, MUITA ENERGIA POSITIVA, PAZ E AMOR PRA VOCÊS*

19 de jul de 2009

Como o sol

Em homenagem ao show acústico Los Porongas que acontece hoje na cidade deixo uma letra da banda para clarear o dia. E o endereço do Myspace pra vocês ouvirem o som desse quarteto incrível que faz o Acre ser ouvido com ondas de Rock.

Como o Sol - Los Porongas
Composição: Diogo Soares

A razão espaço-tempo é sempre tão desencontrada
Todo início quase um fim
Tanto "sempre" e sempre acaba

A razão espaço-tempo é mesmo tão desconcertada
O campo aberto uma prisão
Quando finda

Tudo que não me interessa agora
Eu jogo fora
Tudo que não me interessa agora
Eu jogo fora
E se vai como o sol

Como o sol
Que se esconde ou se espalha
Como o sol
Que aquece ou atrapalha
Como o sol
Que derrete ou agasalha
Como o sol

http://www.myspace.com/losporongas

*ando meio desligada* sorry *

6 de jul de 2009

Socorro


Parei pra pensar nos dias que se passaram, exatamente a partir da última postagem e me dei conta que desde essa data eu PAREI. Estagnei, estanquei, freei, sim eu posso até dizer que endoidei pra rimar, mas a verdade é que eu PAREI. Como assim: parei de pensar, de dar atenção as coisas ao me redor, de me preocupar com as pessoas que estão mais próximas, parei de ter vontade, desejo...
PAREI mesmo. Desde o dia 25 eu segui no piloto automático, vim fazendo tudo que era obrigação, que fazia parte da agenda mas o "todo" a minha volta, amigos, amor, eu fui bloqueando, fui deixando pra lá, ignorando daqui e acolá.
Me isolei esses dias todos sem ao menos ter um motivo certo. Eu quis ficar só com minha consciência, com minha pulsação que estava num ritmo linear, PAREI e PASSEI a não sentir coisa alguma. VIREI uma pedra. SOCORRO eu gritei pedindo a alma penada de Cássia que viesse cantar comigo: “Socorro, não estou sentindo nada...”

Indiferente é a palavra pra definir meus dias de clausura!

Quando pude, fiquei na cama com o controle da TV na mão, e foi a única coisa que pude controlar, no mais minha cabeça, meu coração e meu corpo estavam em sintonia, mas uma sintonia que não é do meu normal, aliás passa longe. Mas estavam em harmonia, tocando uma música bem triste ou talvez alguma do saudoso Michael, porque eu PAREI no mesmo dia que o Michael Jackson também PAROU, fiquei em casa enfiada debaixo do edredom acompanhando tudo pela TV, e mesmo não sendo uma super fã, fiquei abalada, pela perda e pelo povo de luto. Eu tô levantando dessa fossa, é uma pena que ele não vai poder fazer o mesmo.

Parei pra esvaziar um pouco a mente, mas agora eu tô VOLTANDO tranquila (espero ehehe).


Socorro - Cássia Eller
Composição: Arnaldo Antunes/Alice Ruiz

Socorro, não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar, nem pra rir
Socorro, alguma alma, mesmo que penada
Me entregue suas penas
Já não sinto amor, nem dor, já não sinto nada
Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate, nem apanha
Por favor, uma emoção pequena
Qualquer coisa
Qualquer coisa que se sinta
Em tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Socorro, alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento, acostamento, encruzilhada
Socorro, eu já não sinto nada, nada

*E aí JULHO, vamos arrasar?