Sinta-se beijado(a)

A língua é o único músculo que diz a que veio. Eu falo o que penso, eu conto o que vejo, eu compartilho o que gosto, eu exponho meu modo eu me mostro. É um espaço meu, seu, é universal assim como o Beijo! Fique a vontade e divirta-se!

26 de ago de 2010

Jogo da descoberta parte 2

Você disse que a luz do dia eu ia descobrir os seus cabelos brancos, e achei cada fio lindo. Vi que seus olhos são pretos que sua pele é bem branca e que nas costas tem lindas asas tatuadas, quisera eu poder voar que nem você. Descobri que você gosta de dormir abraçada e que de vez em quando até gosta de uma balada. Amei saber que curte música eletrônica, que coleciona vinil e sua paixão por antiguidades me mostra um novo mundo, olha que paradoxo fantástico. Um dia aprendo a tomar vinho com você, por enquanto dividimos o narguilé. Depois de algumas horas com você tive ainda mais certeza que de fato combinamos, que seu cheiro é ainda melhor do que eu lembrava e que as horas se multiplicam perto de ti. Na verdade o que descobri mesmo, foi você. Adoro o jogo da descoberta.

22 de ago de 2010

60.000 e aumentando!

Quando descobri o mundo dos blogs resolvi fazer parte e desde 2008 me dedico a esse aqui, mudo layout, mudo cores, mudo background e acho que finalmente achei uma cara alegre e que combine, mas rezo toda vez que vou abrir a página pra conferir se está tudo no lugar, porque de vez em quando desaparece, coisas da net.
A postagem de hoje é pra agradecer as visitas, o carinho e a paciência de todos os leitores e visitantes do "Beijo de Língua", que é uma das coisas que mais gosto na internet. Esse lugar virtual onde compartilho coisas, me exponho, e conto minhas histórias. Hoje passando de 60.000 mil visitações só tenho a agradecer a você leitor por vir aqui no meu espaço.

Me faz muito feliz saber que tem gente mundo afora lendo minhas lorotas.
Rumo ao dobro, ao tripLo, ao infinito...e além!!! (Buzz Lightyear)

VALEU GENTE, 1 beijo de língua pra vocês!!!

14 de ago de 2010

E foi go, go Johnny!

Desde que me entendo por gente na minha casa sempre teve cachorro; grande, pequeno, fêmea, macho, louco, inteligente, bravo. Sempre tivemos cães, pra proteger a gente e pra gente amar. Dos que eu me lembro já teve o Billy, Jason, Lassie, Baby, Julie, Marley, Lara, Janis, Tobias, Areta e Jhonny. Já sonhei em ser veterinária quando criança de tanto amar os bichos, ou os cães em particular. Depois de um tempo comecei a perceber que não agüentava ver cenas de animais sofrendo, especialmente cachorros, fosse na vida real ou em filme, sempre fechava o olho e sentia a dor, sofria mais até do que ver um ser humano morrendo, não agüentava ver e não agüento. Sabe filme de terror quando você fechas os olhos pra não ver, eu fecho quando tem bichos sofrendo.

Sobre os cães, quem tem e quem gosta sabe: eles te conhecem, te fazem dar risada, te dão amor incondicional, e são amigos confiáveis até que a morte chegue pra um lado. São eles que pulam quando você chega em casa, eles que te dão carinho a qualquer hora do dia, são eles. E você? Você perde as contas de quantas vezes rola no chão com eles, corre com eles, brinca, pula, beija, abraça e aperta eles. Mas também perde as contas de quantas vezes disse não pra um cão; não mexe no lixo, não pula, não pega a sandália, não corre, não morde, não late, não seja cachorro não é?
Mas eles continuam ali te amando, amando, até que a morte os separe. E eu acabo de me separar de um grande pequeno amigo, por alguma razão ele teve que partir pro céu dos cães, pois eu acredito assim como aquele filme lindo, que TODOS OS CÃES MERECEM O CÉU.
Jhonny era um cão da raça: vira-lata :) Meu amigo há mais de 7 anos, e ele chegou até mim depois de eu perder um outro amigo, Baby um Pinscher tão amado quanto, e havia prometido a mim mesma que nunca mais teria cães, pois a dor de perder um é terrível.
Lembro o dia em que o "amarelinho" chegou lá em casa, meu pai o trouxe de carro, ele pequenininho tava no chão do banco da frente, eu olhei e disse: Pô pai o que eu te disse? Bom 5 minutos depois eu estava brincando com ele, na época a música que tava tocando muito era Jhonny B Good na versão do Cidade Negra e um dia eu pensando em nomes pra esse novo integrante da família, meu irmão e eu falamos Jhonny e o cãozinho olhou feliz, e ficou JHONNY B GOOD.
(forma um nó na minha garganta, dói pra porra perder um cachorro, merda)
Ele era possessivo, morria de ciúme da gente, do seu melhor amigo de todo dia nosso jardineiro Antoniel, tinha ciúme até da vassoura que ele usava. Jhonny era louco, louco, passava o dia inteiro correndo atrás de passarinhos no jardim, mordeu metade dos meus amigos e familiares e teve uma vida muito feliz eu acredito.
Correu, brincou e pulou demais, pulava a janela pra entrar em casa mil vezes ao dia, corria léguas atrás dos passarinhos, nunca foi de destruir as coisas ou zonear o lixo ele gostava mesmo é de uma canela fresquinha pra morder, mas tinha sempre o afago e o carinho de alguém, até da minha mãe que nunca gostou de ter cachorros bagunçando sua casa.
Jhonny era um cão saudável, feliz e adorava demais cada um dos integrantes de minha família, duas semanas atrás ele comprou briga com um pitbull, foi bastante ferido mas estava se recuperando muito bem, já estava pulando até. Mas o destino quis mesmo levá-lo, não sei bem a história pois ninguém da minha família conseguiu me contar direito, o fato é que nessa última segunda ele saiu correndo pro meio da rua e um carro o atropelou, ele ainda sobreviveu, mas o final é que a opção dele era uma só, partir.
Sempre que penso nele, ou quando falo com minha família, forma-se um nó na minha garganta, choro, engulo e quando posso desabo a chorar, ele não merecia morrer, mas vou me conformar de que ele precisava ir agora. Minha família está de luto pois ele era um membro da família, sim.
Dói demais perder esse pequeno grande cachorro, um amigo, um parceiro, um cachorro que viveu a vida cercado de gente que o amava e que o odiava também, ele jurava que era gente, tinha personalidade forte, mordia mesmo, mas no fundo tudo que ele fazia era amar demais. Esse foi Jhonny B Good meu último e amado cão.

Descansa meu amor!

8 de ago de 2010

Jogo da descoberta

Você já descobriu que eu falo muito palavrão, sempre um acompanhado do outro, mas que logo peço desculpas pois eu já sei que você não gosta. Melhoro e diminuo esse péssimo hábito. Viu desde o 1º instante que no meu rosto tem sempre um sorriso, e já te expliquei o porque. Já viu que eu uso pijama com desenho, de bolinha, listrado e já sabe do meu vício controlado por doces e que eu gosto de cheiros. Naquele pijama com figura agora tem o teu perfume e é com ele que eu durmo desde então. Sabe que faço caras e bocas o tempo todo, que fico sem graça apesar de tudo e que o “não” não existe. Ops. O gostoso de tudo é que eu e você nos encaixamos. Adoro o jogo da descoberta.